quarta-feira, 5 de julho de 2017

Lendo 236

"A sua mulher foi honesta, porque lhe disse o que se passava na vida dela e nos seus sentimentos. Pronto, o amor e a amizade são assim, acabam quando têm de acabar. "
António Modesto Navarro in Morte em Vila Flor, Produções Editoriais lda, Lisboa Maio 2005, pág 25

Tenho alguma afeição à simples descrição dos sentimentos tão profundos e complexos como o amor e a amizade. Tem o amor de acabar? Conseguimos viver sem amar? E termina mesmo o amor? Não sei se acaba. O amor toma outras vestes, transfigura-se, mas não desaparece.

Sem comentários: