terça-feira, 4 de julho de 2017

Lendo 235

"Dar um beijo implicava um plano de negócios."
Henrique Raposo in Alentejo prometido, Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa 2016, pág 32

O autor refere esta circunstância a um tempo de um passado. E, curiosamente, é também num tempo de um passado que a ideia de dar um beijo, ou apenas o beijo, era motivo de um, dois, vários, imensos planos e estratégias. Coisas da proto-adolescência e dos proto-beijos. Recordo com doce e calorosa saudade. Quanta ingenuidade.

Sem comentários: