segunda-feira, 1 de maio de 2017

Desmontando

Ao desmontar uma casa
Desmonto-me também...
São mil peças,
Mil coisas,
Mil pedaços
E tantos outros sonhos
E possibilidades...

Presos, agora,
A cem metros quadrados amontoados
Que perdem todo o sentido.
Passam a ser aquilo que são
Coisas empilhadas
Sem o sonho que tinham
A poder vir a ser.

Nunca chegamos a ser
Todas essas intenções
Mas fomos essa vontade
De ser, sonhar e fazer
Um pedaço de céu.

E, aos poucos, eu sei,
A voracidade do tempo
Sarará esta separação
Esta ausência
E encherá outro espaço
Que será mais um afecto
Que fica no caminho.

Sem comentários: