quinta-feira, 6 de abril de 2017

O pântano do escorpião

No outro dia, ao passar por um lugar qualquer, tanto pode ter sido a feira da ladra, como um alfarrabista, uma livraria ou até um simples caixote do lixo, pousei os olhos num livro cujo título era "O pântano do escorpião". O livro tinha aspecto de ser literatura de cordel e o que captou a minha atenção foi o título e não tive o mais pequeno interesse no seu conteúdo.
Antes de mais tenho ideia que o escorpião é um animal de terras quentes e não húmidas, aliás como todos os aracnídeos não são animais de ambientes aquíferos, mas a ideia associada a um pântano, habitat de águas paradas, pouco profundas e atreito a desenvolver vários tipo de animais e restos de folhas em decomposição, já me interessou mais. O pântano ajuda a matar, a apodrecer. Colocar, então, um local com estas características como habitat do escorpião torna a ideia ainda mais interessante. Assunto a revisitar.

Sem comentários: