sexta-feira, 24 de março de 2017

Lendo 223

"O amor é um forno que arde,
Visível ou invisível,
segundo a irradiação dos corações sensíveis (...)"
Armando Silva Carvalho in DE AMORE, Assírio e Alvim, Lisboa 2012, pág 31

Tenho encontrado na minha vida almas que amam, como todos o fazem, mas que, desoladamente, os seus corações são fracos de sensibilidade. Ao mesmo que encontro outros que são de uma enorme generosidade sensitiva. Melhor era que todos se dedicassem ao amor com toda a sua sensibilidade, pois acredito que com tanto amor, o mundo seria necessariamente um local muito mais agradável.

Sem comentários: