sexta-feira, 24 de março de 2017

Lendo 221

"Ninguém ama sozinho (...)"
Armando Silva Carvalho in DE AMORE, Assírio e Alvim, Lisboa 2012, pág 13

A natureza do amor é a agregação pelo que sendo evidente que ninguém pode amar sem ter alguém para amar, poderá sempre, no entanto, haver amores que pela contingência se quedam individuais. Quais? O mais cruel é quando quem se ama nos deixa e morre. Amamos sozinhos. Amamos o que do outros nos ficou.

Fica, implícito, que quando amamos, acabamos por nos multiplicar. Ficamos com um pedaço desse amado dentro de nós.

Sem comentários: