domingo, 19 de fevereiro de 2017

Poema lastimado

E, do fundo de algo
Similar a um simulacro
Aparece um sinaleiro
Figura ausente
E quasi irrelevante
De um passado quente...
E diz autoritário:
STOP!
Anacrónico
Irrelevante
Inconsistente
Coiso........

Ninguém nada já.
De que vale o sinaleiro
Quando já não há sinais?

Sem comentários: