domingo, 19 de fevereiro de 2017

À mulher

As minhas palavras são mudas
Ouves o teu sentido
Do que não te digo
Mas que preferias
Para satisfazer
O teu egocêntrico desejo
De te saberes sempre
Senhora de toda a certeza...

E o tempo passa
O mundo passa
A vida passa
E nada consegue ficar...
Em ti...
Contigo...
Para ti...
Que não sejas tu, teu, de ti....

Amanhã?
Para quê?
Haja quem insista!
Homens de sempre...

Sem comentários: