terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Mini curta

Vejo-te a sair da casa de banho e noto em dois detalhes: Tens nas mãos uma agulha de cozer com uma linha preta. Tens as calças rotas nos joelhos. E penso: Eia que chatice ter rompido as calças!


Depois, distraio-me e rectifico: É a moda estúpido! E logo penso que a agulha e linha terá sido para coser um pedaço qualquer de uma peça íntima, pois que é sempre útil e necessário apimentar a mente e deixar discorrer a tendência natural da minha animalidade. 

Nota: Afinal a linha era azul! Lá se vão as rendinhas pretas da lingerie....

1 comentário:

Albert disse...

Amigo

Afirmo, com a experiência da velhice, que este seu novo rumo é um sintoma, claro, de estar à porta do "fora de jogo". Todo este discurso erótico semi pornográfico é próprio de quem sente que não joga na primeira liga.

Um concelho, pois que conselhos ninguém os quer enquanto que poder ser Presidente de uma Câmara, mesmo que rasca e falida, sempre constitui um incentivo.

Saltando por cima do fraquito trocadilho, lhe digo, com o coração nas mãos, sangrando de forma incontrolada e até nojenta, que volte à poesia, mesmo que com argumentos idênticos aos da sua também excelente prosa. E se perguntar porque razão acrescento: Pois porque o leitor quando tenta encontrar mensagens e desabafos nos textos poéticos -já sem rima porque isto é coisa ultrapassada- sente-se empurrado para interpretações mais etéreas do que tendo origem na aparelhagem urogenital.

E fique-se com esta, pois que a próxima pode estar ao lume.

Um abraço de amizade.