segunda-feira, 21 de novembro de 2016

A razão que se dane

Rasgo-me de nada
Como se fosse um tudo.
Uma qualquer razão,
....
...que piada!
Ainda haver quem acredite
Sim! Acreditar!
Nessa razão!
Amante de 20 euros
De trabalho mal servido
Sujo e repetido
Ensaiado ao enjoo
Para se sobrepor
A tudo o mais
E, escancarada, assumir-se
Reguladora de senso
E certezas absolutas...

Rasgo-me de afectos
Irracionais,
Sentidos
Mentidos
Amados
Sofridos
Queridos
Desejados

A razão que se dane...
Consegue lá ela entender o Amor...
O homem...
A emoção....

Sem comentários: