sábado, 24 de setembro de 2016

Lendo 186

"O amor próprio, por igual com o amor, tem seus ciúmes, seu pudor, suas torturas."
Camilo Castelo Branco in Fanny, Parceria António Maria Pereira, Lisboa 1903, pág 65

Claro. Chama-se a isso a consciência, a auto-crítica, a auto-análise.
A reflexão do eu devia ser uma constante. Apenas na aprendizagem e incorporação das nossas acções alimentamos devidamente o amor próprio.

Sem comentários: