segunda-feira, 4 de julho de 2016

O amor.

Ao que tudo se resume
Aquele nada que é tudo
Que enche todo o vazio
Que dá e faz sentido
O sopro quente que anima
Que faz futurizar
E dá sentido ao passado,
Ao acontecer.
E nunca se sintetiza.
Um momento,
Um fugaz instante
Que consegue ser
Tudo.

O amor.

Sem comentários: