terça-feira, 19 de abril de 2016

surpreendendo

Falava alheado de quem o ouvia. Falava, diria, quase para si. Experimentava novas formas de conjugar frases, alterando a posição do sujeito, e fazia, mesmo, pequenas aventuras de estilo. E continuava a falar, entusiasmado.
Na audiência levanta-se um dedo:
-Importa-se de repetir?

O que é que ele quer que eu repita mesmo? De que estava a falar?

Sem comentários: