segunda-feira, 28 de março de 2016

Lendo 145

"A brisa arrasta pelo pátio
restos
de uma antiga dor."

Pde José Tolentino de Mendonça, in “A papoila e o monge”, Assírio e Alvim, Lisboa 2013, pág 68

A dor é sempre a mesma, apenas a revisitamos em diferentes modos.

Sem comentários: