segunda-feira, 28 de março de 2016

Lendo 143

"Nas mãos do oleiro
o universo descobre-se 
inacabado"

Pde José Tolentino de Mendonça, in “A papoila e o monge”, Assírio e Alvim, Lisboa 2013, pág 53

Duas notas: Não é nas mãos do homem que o universo se descobre inacabado. Deus é devir constante e em si tudo é sempre.
O universo, o suposto tudo ( uni-verso), não é tema para o homem. O homem tem mundo, e esse mundo não é universal, mas apenas o seu mundo.

Isto não está nada fácil....

Sem comentários: