sábado, 30 de janeiro de 2016

Desolação

Folhas de desolação
Pedaços de nada
Restos de uma reclamação
Que fica por fazer.
Não é dos outros
Nem sequer do mundo
Mas da minha alma
Que, rebelde e ousada,
Faz-se a um mar
Onde não sabe nadar,
E pensa-se mais
Do que o menos que é.
E tudo falece,
Do passado ao futuro...

Sem comentários: