terça-feira, 24 de novembro de 2015

Arte ou logro?


Esta foto foi tirada no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian. Fazia parte de uma exposição.
Não me apetece muito perder tempo a perurar sobre a noção do conceito "arte" e de como ela pode ser mais abrangente e incorporar outras representações feitas pelo homem. Não aceito essa teoria e muito menos a ideia subjacente. Arte, tal como a literatura, a poesia, a música, etc, tem um determinado enquadramento que faz com as coisas caibam lá ou não.
Não por esticar um conceito que determinada produção humana passa a ter lugar. Até porque esse conceito apenas é distorcido para quem assim o entende, a maior parte do comum dos mortais apenas se afastará pois achará que estão a gozar com ele.

E isto tudo é a parte visível de um logro ainda maior que é a redução das coisas a um denominador comum cada vez mais básico e desclassificado de modo a tudo abranger o que inevitavelmente irá ter um papel centrifugador de deitar fora os melhores, os que têm valor e permanecer no centro o pior e mais desclassificado.

Sem comentários: